Connect with us

Meios de Pagamento

Bela Viagem, uma fintech com foco no turismo.

Published

on

Ciente das necessidades específicas do segmento de turismo em termos de pagamentos, a Bela Viagem, empresa fundada em Gramado, no Rio Grande do Sul, oferece uma série de produtos e serviços prontos para atender a este público.

Desde 2012, a Bela Viagem atua de forma a tornar a vida empresarial de  empreendedores do ramo de hotéis, pousadas, agentes de turismo e de atrações locais muito mais simples e lucrativa. E isto graças às suas ferramentas que permitem a compra e venda de serviços de forma presencial e online, de forma segura e sem filas.

bela-viagem-turismo-pagamento

Carteira de serviços da Bela Viagem é ampla

Para atingir os seus objetivos, a Bela Viagem oferece uma ampla carteira de serviços, a qual inclui:

  • V7, a máquina de cartão de crédito e de débito;
  • Fácil, a ferramenta de cobrança;
  • API e-commerce, para vendas online;
  • Conciliação, para controle das vendas;
  • Flex, focado no fluxo de caixa;
  • Antecipação, para o recebimento adiantado de saldos.

V7: solução para receber crédito e débito

Muitos empreendimentos sofrem dificuldades para receber cartões de crédito e débito de seus clientes por não contarem com uma máquina de cartão. Infelizmente, o processo pode ser longo, burocrático, e mesmo impossível para novos empresários e para microempreendedores, por contas das exigências feitas por empresas como Cielo e Rede. Assim, a V7 tornou-se uma solução interessante para os empresários, além de também poder ser adquirida por pessoa física. O cadastro pode ser feito em alguns minutos, online, e ela aceita cartões de bandeira Visa, Maestro, American Express, Elo, DinersClub e Discover.

Em termos de taxas, os custos da V7 são os seguintes:

  • Mensalidade: R$ 75,00
  • Crédito à vista: 2,75%
  • Crédito parcelado: 3,75% de 2 a 6 vezes; e 4,75% de 7 a 12 vezes.

Vale ressaltar que a mensalidade pode sair de graça caso o empreendedor decida ganhar comissão com a venda de passeios, ingressos, e atividades de parceiros da Bela Viagem – a empresa oferece em seu catálogo mais de 300 empresa e mais de 2000 produtos disponíveis.

A V7 conta com sistema anti-fraude, e a antecipação dos saldos das vendas pode ser permitida. Ela conta ainda com os seguintes diferenciais:

  • Sistema para controle de vendas e comissões na própria máquina;
  • Permissão multi-usuário;
  • Informações de preços e estoques aualizados em tempo real;
  • Venda e emissão de bilhetes;
  • Conciliação já inclusa em seu sistema.

Fácil: para receber pagamentos online de forma simples e barata

Com o Fácil, é possível receber pagamentos via e-mail, SMS, ou por meio de venda digitada da seguinte forma: o seu cliente escolhe se quer pagar à vista ou parcelado, no cartão ou no boleto; ele recebe um link por e-mail ou SMS e segue as instruções; e pronto.

O vendedor poderá definir o tempo de validade do link, e acompanhar o status do pagamento em tempo real. As taxas cobradas no crédito são as mesmas da máquina V7, podendo ser ainda oferecida a opção boleto bancário – na qual é preciso pagar uma taxa mínima de R$ 5,00 a cada transação, e de 0,75% sobre cada venda realizada.

É possível também integrar uma solução API para processar pagamentos direto do site, front-end, ou via app, sendo esta de características semelhantes às do Fácil.

Flex e outros serviços: mais vantagens para o cliente Bela Viagem

O Flex garante uma injeção extra de capital por meio de financiamento. O cliente da Bela Viagem só terá que definir o valor que quer receber, e em quantas semanas deseja pagar, e o valor passará  a ser debitado do seus recebíveis – o financiamento pode ser liberado até no mesmo dia. As vendas realizadas via parcelamento também podem ser antecipadas. Para saber a taxa cobrada e o valor final a receber, é possível usar um simulador disponível no site da empresa – o valor também pode ser disponibilizado no mesmo dia se solicitado até às 14h.

E, em termos de conciliação, o painel de controle da Bela Viagem permite visualizar todas as vendas realizadas, taxas cobradas, previsão de recebimento, e outros. O sistema pode ser acesso via computador, smartphone ou tablet.

Quer mais? A Bela Viagem é uma fintech com foco no turismo, inegavelmente.

Luciana é uma jornalista radicada em Dublin na Irlanda. Redatora, já foi Relações Públicas do Estado da Bahia. É uma das melhores jornalistas de finanças do país.

Advertisement
Click to comment

Meios de Pagamento

China pede que comerciantes parem de rejeitar dinheiro

Published

on

china

Desde julho de 2018, o banco central da China já lidou com 602 casos envolvendo estabelecimentos comerciais rejeitando pagamentos em dinheiro, de acordo com a Tech Asia.

O banco central da China começou a reprimir os comerciantes que se recusam a aceitar dinheiro (papel moeda), dizendo que ele prejudica os direitos do consumidor e o status legal e também alertou contra a “sobreposição” do conceito de uma sociedade sem dinheiro.

Entre os comerciantes que foram obrigados a aceitar dinheiro novamente, há o supermercado Hema da Alibaba. A cadeia de varejo permite que os compradores digitalizem mercadorias com seus smartphones para ver mais informações e pagar por suas compras com o aplicativo Hema. Seguindo o pedido do banco central, as lojas Hema começaram a aceitar dinheiro novamente.

Estima-se, segundo a TechinAsia, que na China mais de 30% das pessoas nascidas nos anos 50 estão tendo dificuldades em pagar em dinheiro.

São os consumidores ou empresas que ditam o comportamento/futuro dos produtos e serviços? Na China já dá para saber…

Continue Reading

Meios de Pagamento

O massacre das maquininhas de cartões (o fim do POS).

Published

on

pos maquininhas

Maquininhas de cartão de crédito terão pouco tempo de vida e agora começa o teste real dos adquirentes.

* Esse não é um post patrocinado. 

Existe obviamente, um movimento forte por mobilidade em pagamentos, mas nunca houve uma afronta às maquininhas das empresas consolidadas no mercado, pelo menos aqui no Brasil. Com a Rappi, iFood, Mercado Livre e cia, o jogo vai trazer novos competidores e isso é a certeza que podemos ter, da mudança.

Massacre adiante?

Eu estive ontem na loja da Ofner (Moema-SP) para tomar um café de R$5,00. Fui pagar no débito e me deparei com a foto abaixo do aplicativo Rappi no balcão de pagamento.

rappi pay

Parecia uma propaganda simples, mas eu parei a transação no plástico e pedi para pagar no Rappi Pay. Demorou exatos 30 segundos para que a transação fosse concluída. O aplicativo da Rappi já estava integrado ao sistema da NCR que gerencia o sistema frente-caixa da loja. E tudo fluiu de forma simples.

rappi pay brasil

Panetones com QR Code.

Eu literalmente me senti saindo de um carro do Uber há 6 anos atrás, quando fiquei com a ligeira sensação que meu cartão não tinha sido debitado, depois de uma corrida. Vem um massacre por aí, pelo que a história pôde nos ensinar. Vários pontos da cidade já tem o sistema da Rappi integrado, caso da padaria Benjamin.

Olha essa dupla, disputando um espaço de trilhões de dólares.

No final de tudo, fiquei muito decepcionado com a minha compra, porque só então descobri que, se eu tivesse gasto R$50,00 eu teria levado um panetone na faixa, oferecido pela Rappi.

Feliz natal.

 

Continue Reading

Meios de Pagamento

A Prisma, maior empresa de pagamento da Argentina, deve ser vendida.

Published

on

prisma meios de pagamento

Não é só no Brasil que a guerra das maquininhas acontece.

A matéria do Brazil Journal descreve que a Advent (um dos maiores fundos do mundo) está prestes a fechar um acordo com a Prisma, uma das maiores empresas de pagamento da Argentina. O fundo quer comprar o controle acionário da adquirente, que tem como sócios, 14 bancos do país.

Foto: Reprodução Prisma.

O Governo Macri vem trabalhando forte na iniciativa de descentralizar o controle de grandes bancos no setor, abrindo o caminho para novos players. Por lá, as bandeiras ainda são aceitas apenas por alguns players. A Visa, por exemplo é aceita somente pela Prisma, já a Master é aceita pela First Data, que tem presença por lá também. À partir do ano que vem as bandeiras deverão ser aceitas por todas adquirentes.

O acordo deve chegar a U$1,4 bilhões.

 

Continue Reading

featured