Connect with us
techfin techfin

Fintechs

TechFin, o que é? Conceitos e definições.

Published

on

Você provavelmente já ouviu falar sobre as Fintechs, certo? Trata-se do aprimoramento do sistema financeiro original com o uso de tecnologia – como os serviços bancários online. Porém, TechFin ainda é uma novidade para muitas pessoas.

O termo TechFin foi cunhado pelo fundador da gigante chinesa de tecnologia Alibaba, Jack Ma, em 2016. Ele representa o fornecimento, por empresas de tecnologia, de serviços financeiros com uma abordagem mais centrada no cliente e na tecnologia.

Quer entender melhor o que é TechFin e o que representa essa tendência? Confira logo a seguir!

O cenário de disrupção das Fintechs

O setor bancário está passando por mudanças em um ritmo cada vez maior. Nos últimos anos, as instituições financeiras tradicionais e empresas não tradicionais chamadas de Fintechs começaram a entender que a colaboração pode ser o melhor caminho para o crescimento a longo prazo.

Ao mesmo tempo, grandes empresas de tecnologia estão oferecendo serviços financeiros, criando soluções de Fintechs. A justificativa para a colaboração é a capacidade de reunir os pontos fortes de bancos e Fintechs para criar uma entidade mais forte do que qualquer unidade poderia trazer por conta própria.

Para a maioria das Fintechs, as principais vantagens são uma mentalidade de inovação, agilidade, uma perspectiva centrada no consumidor e uma infraestrutura construída para o digital. Essas são vantagens que a maioria das instituições financeiras tradicionais não possuem.

Como alternativa, a maioria das instituições bancárias tem escala, reconhecimento de marca mais forte e confiança estabelecida. Elas também têm capital adequado, conhecimento de conformidade regulatória e uma rede de distribuição estabelecida. O desafio está na capacidade de desenvolver um ambiente onde a colaboração possa florescer, em vez de sufocar os atributos de beneficiário de qualquer um dos parceiros.

techfin o que é

Entendendo o conceito de TechFin

Tecnicamente falando, a Fintech é um espaço onde os serviços financeiros são entregues por meio de uma melhor experiência do usuário com tecnologia de ponta. TechFin, por outro lado, é onde uma empresa que oferece soluções de tecnologia lança uma nova maneira de fornecer serviços financeiros.

Ou seja, a tecnologia e as finanças são comuns entre os dois. A diferença está na maneira como isso é aplicado na prática.

TechFin

A TechFin é uma empresa de tecnologia e dados que oferece serviços financeiros personalizados e mais competitivos para ajudar as empresas a superar os desafios dos seus negócios. A sua proposta é facilitar rotinas bancárias de qualquer empresa – como diferentes segmentos de comércio, educação, hospitalidade, saúde, etc.

Quando os bancos planejam utilizar a tecnologia para improvisar ou aprimorar os processos e operações financeiras existentes, seu foco permanece em como usar a tecnologia para obter eficiência e produtividade superiores dos processos e operações financeiras existentes.

Na prática, as TechFins buscam suprir as necessidades dos seus clientes que exigem:

  • Segurança
  • Confiabilidade
  • Estabilidade
  • Baixos riscos
  • Mudança mínima

Portanto, os grandes bancos comerciais de varejo raramente fazem alterações em seus aplicativos móveis, pois uma ligeira alteração no aplicativo atrai reclamações e inconveniências do cliente. Para o cliente, a mudança implica exposição ao risco e qualquer mudança é interpretada como ofensiva. Esses bancos evitam mudanças para evitar a publicidade negativa desses incidentes.

As empresas TechFin, portanto, seguem o que Jack Ma as cunhou como “reconstruindo sistema com tecnologia”.

Jack Ma durante a Conferência da China organizada pelo South China Morning Post enfatizou que “a Fintech pega o sistema financeiro original e melhora sua tecnologia, já a TechFin busca reconstruir o sistema com tecnologia”.

O melhor exemplo de uma empresa TechFin é a Ant Financial Services Group, uma empresa afiliada do Alibaba, que lançou “Fortune Accounts” em junho de 2017, um novo recurso em seu aplicativo de gestão de fortunas – Ant Fortune.

A plataforma que permite aos consumidores comprar uma grande variedade de produtos de investimento agora permite que instituições financeiras terceirizadas criem sua própria “Página de Conta”. Ao fazer isso, eles atingem diretamente os consumidores, sem a forma tradicional de competir no formato de supermercado online, e ajudam os clientes a obter aconselhamento financeiro ou a promover seus produtos. Este é um caso clássico em que o processo de investimento em produtos financeiros foi improvisado com o uso de tecnologia, ajudando as instituições financeiras a receber dados de back-end de usuários para receber tráfego nas lojas de sua empresa.

Empresas como Amazon (EUA), Apple (EUA), Facebook (EUA), Google (EUA), Microsoft (EUA), Samsung (Coreia), Baidu e Tencent (China), Vodafone (Reino Unido, Índia e África) e Uber (EUA) todos oferecem várias formas de pagamento, empréstimo e / ou outros serviços financeiros. A entrada dessas empresas sinaliza uma mudança de intermediário financeiro (Fintech) para intermediário de dados (TechFin).

Fintech

Por outro lado, a Fintech pega o processo financeiro e o transforma utilizando a tecnologia para deixar sua marca. Geralmente, as startups usam Fintech para criar aplicativos, APIs e análises para interromper e evoluir. Por exemplo, os produtos ou serviços existentes como – empréstimos, poupanças, investimentos, pagamentos ou comércio são redefinidos para lucratividade, velocidade e prudência.

As Fintechs preferem transformar o processo usando tecnologia, geralmente dispensando intermediários.

Tomando o exemplo dos empréstimos tradicionais e P2P, os empréstimos tradicionais permitirão ao investidor depositar fundos e ganhar juros. Um usuário pode pedir dinheiro emprestado a bancos, seguindo um complicado processo de documentação e aprovação, que leva tempo e às vezes pode enfrentar rejeições. As aprovações são baseadas em transações financeiras pré-históricas.

Uma plataforma Fintech P2P permite que o credor empreste dinheiro diretamente ao tomador e ganhe juros, enquanto o tomador usa uma plataforma online para receber aprovação e fundos instantâneos.

Fintech vs TechFin

As Fintechs assumem o risco e são bem recebidas pela geração Millennial e pelos clientes que estão prontos para explorar e experimentar a inovação. Pessoas que estão “em movimento” e usam a plataforma móvel abraçam a transformação.

Ou seja, elas estão prontas para interromper processos existentes e ecossistemas de serviços financeiros com o uso de tecnologia emergente. Com isso, as limitações de Fintechs são diferentes em comparação com TechFins.

Ao contrário das TechFins, que têm a limitação de um enorme risco de crédito, as FinTechs enfrentam o desafio dos reguladores. O ecossistema econômico global ainda não aceitou completamente a forma como as Fintechs funcionam. Existem regras e regulamentos que elas precisam aderir para permanecer operacionais.

Para resumir a diferença entre os dois, os principais pontos são:

TechFin

  • Primeira abordagem do processo
  • Os bancos tradicionais, geralmente grandes, participam
  • Improvisação do processo existente
  • Baixos riscos
  • Os clientes preferem tradição e confiança
  • Aumentar a proficiência da equipe para a melhoria do processo usando tecnologia
  • Grandes riscos de crédito

Fintech

  • A tecnologia em primeiro lugar é a abordagem
  • Startups geralmente participam
  • Busca a transformação no processo
  • Não hesita em interromper o processo existente
  • Jovens, millennials e profissionais os apreciam
  • Elimina o intermediário para uma experiência mais rápida e superior
  • Limitações de privacidade, segurança e reguladores

Futuro das Fintechs e TechFins

A Fintech resolve um problema específico de serviço financeiro para clientes basicamente oferecendo uma solução ou processo financeiro inovador baseado em possibilidades técnicas na forma de um novo produto ou serviço. Já a TechFin incorpora soluções tecnológicas financeiras existentes ao seu modelo de negócios em vários aspectos.

O aumento do valor dos dados torna atraente para grandes empresas de tecnologia lucrar com os dados coletados e, até agora, tem sido muito fácil para elas terem sucesso com a implementação de seus produtos com base em sua grande base de clientes e na vantagem que possuem com os clientes dando-lhes autorização para usar seus dados e aceitando seus termos e condições. Além disso, elas geralmente não enfrentam problemas de financiamento inicial quando se tornam TechFins.

As empresas Fintech geralmente lutam para obter financiamento e dependem principalmente de investidores anjo e instituições financeiras para obter a maior parte de seu financiamento inicial. O financiamento coletivo tem sido benéfico para o financiamento das Fintechs, mas elas ainda enfrentam dificuldades. Além disso, os regulamentos de crowdfunding ainda são um quebra-cabeça inacabado para muitas jurisdições descobrirem como incorporá-lo como uma alternativa financeira / de financiamento. E pode demorar um pouco para que regras padronizadas sejam estabelecidas para um melhor gerenciamento desta solução Fintech.

Tanto a Fintech quanto a TechFin trazem mudanças evidentes ao setor de serviços financeiros. As instituições tradicionais estão basicamente forçando a digitalização de sua estrutura de negócios se quiserem sobreviver à revolução digital. Até agora, vimos que muitas vezes eles se tornam clientes das empresas Fintech e TechFin – usando formas diferentes de incorporar a transformação digital.

Você já conhecia o conceito de TechFin? Como você enxerga o surgimento dessa tendência? Deixe o seu comentário!

Advertisement
Click to comment