Connect with us

Meios de Pagamento

Lista: fundos que investem em fintechs de pagamento

Published

on

Se você está a frente de uma fintech, ou está pensando de lançar-se nesse mercado, saiba que o número de fundos de investimento buscando por empresas inovadoras é grande. Conhecidas como VC firms (empresas de ventury capital), muitas delas já estão há algum tempo oferecendo recursos financeiros e expertise para quem tem uma ideia promissora no ramo de tecnologia financeira.

Assim, confira a seguir, a lista compilada por nós em diversos canais de investimento, com os nomes das VC firms que estão de portas abertas para fintechs de todo o mundo:

BBVA Ventures: o Venture Capital do banco BBVA está faminto por inovação, principalmente se tratante do fintechs. Executivos já sondaram algumas startups financeiras brasileiras e já iniciaram as conversas.

Arpex Capital (Brasileira): o fundo Arpex, investe e adquire empresas de pagamento desde sua fundação. Empresas como Mundipagg, Pagar.me, Moip e Capta, investidas e adquiridas pelo fundo, são empresas que se movimentam para a Stone (adquirente do grupo), crescer. Se a fintech conseguir se encaixar dentre os nomes, a Arpex é um bom target.

Santander InnoVentures: essa empresa britânica conta com um fundo de investimento de US$100 milhões, e já investiu em startups como iZettle, MyCheck, Ripple, Kabbage e Cyanogena. Investe exclusivamente em fintechs, e dá preferência a pequenas empresas e a startups.

HC/FT & Oak Investment partners: já investiu na Digital Currency Group, Fastpay, Feedzai, Insureon, Poynt. Essa empresa norte-americana costuma apoiar startups que acabaram de nascer, especialmente aquelas no ramo de informações para serviços de saúde e de fintechs. Somente nos últimos dez anos, seus investimentos já passaram da casa do US$ 1 bilhão de dólares.

Kaszek Ventures (Brasil/Argentina): apesar de origem argentina, a Kaszek é um dos fundos com maior presença no Brasil. investiu em empresas como Nubank, por exemplo. Além disso os criadores do fundo têm no DNA a criação do Mercado Livre e de quebra, o Mercado Pago.

Great Hill Ventures: sediada em Boston, Estados Unidos, costuma investir em empresas com algum tempo de abertura. Seus segmentos preferidos são os de e-commerce, serviços de TI, mídia, software, cloud, educação, fintech, serviços de saúde, e enterprise SaaS. Em seu portifólio estão as empresas PayChoice, Accelerated, Custom House, GTM Group, Billmatrix, e ela costuma investir de US$ 25 a 150 milhões de dólares em cada negócio.

Spectrum Equity: investe em qualquer porte ou estágio empresarial, desde que o interessado seja do ramo de saúde, tecnologia, serviços empresariais ou educação. Seu fundo de investimento atual é de US$ 1 bilhão, e já apoiou as empresas BATS, Ethoca, ExactBid, Ipay Technology, Netquote, Trintech e Seisint.

Prime Capital: apesar de geralmente só investir em novas empresas, abre exceções de vez em quando. Foi fundada em 1946 e gerencia mais de US$ 2 trilhões, os quais investe em empresas do ramo biofarmacêutico, medtech, serviços tecnológicos de saúde e fintechs. Já apoiou a Receivables Exchange, TradeBlock, Tradier e Flywire.

Camden Partners: já investiu na Planet Payments, Network for Good, In Go e BlueFin Payments. Apóia novas empresas e aquelas em crescimento, não só financeiramente como em termos de expertise. Seus segmentos preferidos são os de saúde, tecnologia, serviços empresariais e educação.

Mucker Capital: costuma investir em novas startups e também acredita na importância de não só oferecer financiamento, mas também de participar ativamente do processo de implementação do negócio. Já investiu na Grand Intent, Emailage, Penango, Verifico, e prefere os segmentos de internet, software e mídia.

Omdiyar: esse fundo californiano já investiu na Better Than Cash Alliance, Cignifi, e financia empresas em qualquer estágio de atividade. Seus segmentos preferidos são os de consumo móvel, educação, inclusão financeira, engajamento governamental e do cidadão, e direitos de propriedade. Liderada pelo fundador do eBay, Pierre Omidyar, também apoia organizações em fins lucrativos voltadas para o empoderamento social.

Susquehanna Growth Equity: também apóia empresas em qualquer estágio de atividade, e tem em seu portifólio 29 west, Ballista, CashEdge, Derivix, ESP, Plimus, Versafe. Ela prefere investir em SaaS, fintechs, tecnologia de saúde, internet, serviços de informação e marketplaces. Defende um modelo de investimento mais flexível em termos de negociação e de parcerias.

Outras empresas que devem contar na sua lista de possíveis investidores são as seguintes:

 

A lista vale ouro, literalmente.

 

Luciana é uma jornalista radicada em Dublin na Irlanda. Redatora, já foi Relações Públicas do Estado da Bahia. É uma das melhores jornalistas de finanças do país.