Connect with us
cora cora

Bancos Digitais

Cora, banco digital de ex-Moip’s levanta U$10 milhões em sua primeira rodada.

Published

on

Não demorou muito para que os fundadores do Cora, a mais nova startup de Leonardo Mendes e Igor Senra (ex-Moip), abordassem algum aspecto do setor de serviços financeiros do país, para levantar seus primeiros U$ 10 milhões. Igor Senra e Leo Mendes já haviam trabalhado juntos antes – fundando sua primeira empresa de pagamentos on-line, a MOIP, em 2005.
Essa empresa foi vendida para a WireCard em 2016 e depois de três anos, os fundadores atacam novamente.

Eles construíram seus negócios iniciais, atendendo às pequenas e médias empresas que compõem aproximadamente dois terços da economia brasileira e representam transações de alguns trilhões de dólares. Mas na WireCard, eles foram instruídos a abordar cada vez mais clientes maiores que não tinham o mesmo tipo de demanda por seus serviços, segundo Mendes.

Cora, banco digital para pequenos

Eles então, construíram o Cora – uma plataforma para as pequenas e médias empresas que eles conheciam tão bem na antiga empresa. A rodada foi liderada por Kaszek Ventures, um dos maiores e mais bem-sucedidos fundos de investimento da América Latina, com a participação da Ribbit Capital – uma das empresas de investimento em fintech em estágio inicial mais influentes do mundo.

cora banco

Reprodução: Cora

“Criamos a  Cora  para perseguir nosso objetivo de vida, que é resolver os problemas financeiros enfrentados pelas pequenas e médias empresas. Esses negócios produzem 67% do PIB brasileiro, mas são totalmente mal atendidos pelos bancos tradicionais ”, afirmou Senra, CEO, em comunicado.

A empresa está atualmente operando em beta fechado e planeja lançar seu primeiro produto, uma conta via app, gratuita para PME, no primeiro semestre de 2020, de acordo com o comunicado. Mais tarde, o Cora lançará um portfólio de pagamentos, produtos relacionados a crédito e ferramentas de gerenciamento financeiro que estão sendo desenvolvidas atualmente.

“Até agora, as grandes instituições financeiras construíram produtos que se concentram principalmente em pessoas físicas ou em grandes clientes corporativos e ignoraram totalmente as pequenas e médias empresas, que são os criadores de valor mais relevantes em nossas economias”, disse Mendes em comunicado. “Queremos oferecer um conjunto de produtos financeiros de alta qualidade e centrados no cliente, que atendam às necessidades específicas não atendidas das empresas de nossos clientes”.

Artigo escrito orignalmente por Jonathan Shieber para o Techcrunch.

O ponto de encontro das fintechs e revolução financeira no país.