Connect with us

Meios de Pagamento

O ano do mercado de pagamentos no Brasil

Published

on

Terminou Janeiro de 2018. E já temos, o maior começo para um setor, que já se viu na história.

Enquanto eu escrevo esse texto, em pleno feriado em SP, as ações do PagSeguro estão valendo cerca de U$30.

Senhoras e senhores, foi uma baita estréia. De dar orgulho mesmo. Temos uma gigante na bolsa americana e isso é ótimo para todo ambiente tecnológico do país, especialmente para o de pagamentos, que disputa uma fatia gorda de R$1 trilhão de processamento anual.

Champagne e IPO na Times Square

A captação do IPO do PagSeguro chegou a mais de U$2,27 bilhões, que atingiu um pico no preço da ação em mais de 30% na estréia.

Parabéns, Frias, Fuentes e Dutra e todo time, essa é para estourar a champagne mesmo. Essa abertura de capital é a maior abertura de capital na NYSE desde a abertura do Snapchat no ano passado (fonte Bloomberg).

[caption id="attachment_6687" align="alignnone" width="750"] Fonte: FolhaPress[/caption]

Para mim, empreendedor e entusiasta do setor, o orgulho é muito grande também. Há alguns anos, o PagSeguro entrou num mercado até então, desprezado pelas grandes, o do microempreendedor. Quem trabalha há pelo menos mais de 10 anos nesse segmento, sabe bem que as operadoras de cartões sempre quiseram o filé (aparente) do mercado: empresas com histórico de banking e com faturamento para justificar um credenciamento.

Não com o PagSeguro.

Eles foram exatamente nessa direção: atender quem realmente precisa de solução. Afinal, um dos princípios básicos da tecnologia é viabilizar a resolução de problemas. Investiram “pesado” na Moderninha e encontraram um modelo implacável. Durante o percurso, viraram adquirentes. Tiro certeiro.

Na verdade, o que eu queria mesmo escrever é que o PagSeguro entrou com os dois pés no peito da bolsa americana. Li no The Brief, que o Square, uma das fintechs queridinhas da bolsa, abriu capital em 2015, a um preço e U$15 e hoje está a U$44. A título de comparação, o Paypal no final de  2016, valia U$39, hoje está em U$80.

A NYSE tem gosto por fintechs, especial por payments.

Welcome to the jungle!

Antes do corajoso José Renato Hopf abrir o mercado de adquirência com a Getnet, as mãos desse mercado estava na mão de Cielo e Rede (antiga Redecard). Depois disso veio Elavon, Global Payments, First Data, Stone, entre outras. E centenas de soluções complementares (pré-pagos, sub-adquirentes, gateways, antifraudes, bandeiras e etc) pingam mês a mês para amparar um mercado gigante, que é o de pagamentos no Brasil.

[caption id="attachment_6692" align="alignnone" width="750"] Foto: ThingLink[/caption]

Mas vale lembrar, a situação no país é equiparada a uma selva.

Além do poder econômico e de distribuição das grandes, regulamentação e necessidade de capital, são dois desafios para as pequenas. Mas não é impossível. O próprio Banco Central abre espaço para a inovação, mantendo uma agenda próxima de fintechs e novos players.

Essa abertura, possibilitou o nascimento de outras três gigantes: Elo, Stone e Nubank. Se perguntarem como elas estão indo, 99% do mercado diria que estão “de vento em popa.”

  • O Nubank já é banco e possui milhões de clientes;
  • A Stone está perto de chegar aos 10% de market share (o que é coisa grande);
  • A Elo é a terceira bandeira já, com forte crescimento e já incomoda.

São nomes que até pouco tempo atrás, não existiam.

11 meses pela frente

Nesse ano de 2018, com 18 feriados, uma copa do mundo e uma eleição, as incertezas são grandes, no campo político e econômico, mas não parece abalar o mercado de pagamentos por aqui.

A Stone é a próxima, não há dúvidas. Preparam como ninguém uma próxima cartada e ela parece estar se formando na bolsa americana também. Tem números, mercado e força, assim como o PagSeguro. As previsões apontam para o segundo semestre. E isso será ainda melhor para o segmento. “Payments” vai virar um negócio de IPO, como deveria ser há algum tempo.

Sinal disso é que antes mesmo desse mês terminar, a Stelo foi adquirida pela Cielo. Apesar da transação ter sido dentro de casa, mostra uma intenção de verticalização das soluções e das empresas. Afinal transacionar pagamentos, por si só, é commodity. O que está claro também, é que no país, meio de pagamento é um negócio claro de M&A (fusões e aquisições).

Fiz uma lista abaixo para entender o que aconteceu nos últimos anos em “payments e M&A” no país:

  • Pagamento Digital (Bcash) – adquirida pelo Buscapé
  • BRPay – adquirida pelo UOL
  • Boa Compra – adquirida pelo UOL
  • FControl – adquirida pelo Buscapé
  • Superpay – adquirida
  • Saque e Pague – adquirida pela Stefanini
  • Orbitall – adquirida pela Stefanini
  • CobreBem – adquirida pela Worldpay
  • Moip – adquirida pela Wirecard
  • OneBuy – adquirida pela Certisign
  • Auttar – adquirida pelo Santander
  • Getnet – adquirida pelo Santander
  • M4u – adquirida pela Cielo
  • Braspag -adquirida pela Cielo
  • maxiPago adquirida pela Rede (Itau)
  • Pagar.me / Mundipagg – incorporada pela Stone
  • Smartbill – adquirida pela Vindi
  • Aceita Fácil – adquirida pela Vindi
  • Stelo – adquirida pela Cielo

Existe claramente, uma abertura de mercado para novos players, afinal o mercado é grande. Mas também é evidente, uma “fome” real de grandes conglomerados para adquirir empresas desse setor.

Acrescente isso a um cenário, com:

  • a Vero (Banrisul) atuando forte no sul do país;
  • a Payu com dinheiro da Naspers;
  • a Worldpay (adquirida pela Vantiv lá fora) entrando;
  • Adiq (do Bonsucesso), Safrapay (Banco Safra);
  • o Mercado Pago com a força do Mercado Livre;
  • a Iugu (com foco em startups);
  • Acquio escalando através de franquias;
  • Méliuz e BeBlue arrepiando em cashback;
  • a Acesso (líder nos pré-pagos);
  • o Neon (banco digital referência), O Inter (com previsões de IPO também);
  • a Vindi (que prefiro não falar, por razões óbvias);
  • a Adyen que vem fazendo um trabalho excepcional no e-commerce;
  • o EBanx (baita case);
  • o Paypal (player global);
  • entre outras centenas de outras lutando de igual para igual.

Ainda teve:

– EBANX captando R$95 milhões de investimentos;

BestPay adquirida pelo Grupo Garantia;

– Stelo Adquirida pela Cielo.

 

Viu como é uma selva e como pode ser esse ano?

Texto Pagamento.me

Rodrigo é o co-fundador e CEO da Vindi, plataforma de pagamento líder no setor de serviços no Brasil.

Advertisement
Click to comment

Meios de Pagamento

China pede que comerciantes parem de rejeitar dinheiro

Published

on

china

Desde julho de 2018, o banco central da China já lidou com 602 casos envolvendo estabelecimentos comerciais rejeitando pagamentos em dinheiro, de acordo com a Tech Asia.

O banco central da China começou a reprimir os comerciantes que se recusam a aceitar dinheiro (papel moeda), dizendo que ele prejudica os direitos do consumidor e o status legal e também alertou contra a “sobreposição” do conceito de uma sociedade sem dinheiro.

Entre os comerciantes que foram obrigados a aceitar dinheiro novamente, há o supermercado Hema da Alibaba. A cadeia de varejo permite que os compradores digitalizem mercadorias com seus smartphones para ver mais informações e pagar por suas compras com o aplicativo Hema. Seguindo o pedido do banco central, as lojas Hema começaram a aceitar dinheiro novamente.

Estima-se, segundo a TechinAsia, que na China mais de 30% das pessoas nascidas nos anos 50 estão tendo dificuldades em pagar em dinheiro.

São os consumidores ou empresas que ditam o comportamento/futuro dos produtos e serviços? Na China já dá para saber…

Continue Reading

Meios de Pagamento

O massacre das maquininhas de cartões (o fim do POS).

Published

on

pos maquininhas

Maquininhas de cartão de crédito terão pouco tempo de vida e agora começa o teste real dos adquirentes.

* Esse não é um post patrocinado. 

Existe obviamente, um movimento forte por mobilidade em pagamentos, mas nunca houve uma afronta às maquininhas das empresas consolidadas no mercado, pelo menos aqui no Brasil. Com a Rappi, iFood, Mercado Livre e cia, o jogo vai trazer novos competidores e isso é a certeza que podemos ter, da mudança.

Massacre adiante?

Eu estive ontem na loja da Ofner (Moema-SP) para tomar um café de R$5,00. Fui pagar no débito e me deparei com a foto abaixo do aplicativo Rappi no balcão de pagamento.

rappi pay

Parecia uma propaganda simples, mas eu parei a transação no plástico e pedi para pagar no Rappi Pay. Demorou exatos 30 segundos para que a transação fosse concluída. O aplicativo da Rappi já estava integrado ao sistema da NCR que gerencia o sistema frente-caixa da loja. E tudo fluiu de forma simples.

rappi pay brasil

Panetones com QR Code.

Eu literalmente me senti saindo de um carro do Uber há 6 anos atrás, quando fiquei com a ligeira sensação que meu cartão não tinha sido debitado, depois de uma corrida. Vem um massacre por aí, pelo que a história pôde nos ensinar. Vários pontos da cidade já tem o sistema da Rappi integrado, caso da padaria Benjamin.

Olha essa dupla, disputando um espaço de trilhões de dólares.

No final de tudo, fiquei muito decepcionado com a minha compra, porque só então descobri que, se eu tivesse gasto R$50,00 eu teria levado um panetone na faixa, oferecido pela Rappi.

Feliz natal.

 

Continue Reading

Meios de Pagamento

A Prisma, maior empresa de pagamento da Argentina, deve ser vendida.

Published

on

prisma meios de pagamento

Não é só no Brasil que a guerra das maquininhas acontece.

A matéria do Brazil Journal descreve que a Advent (um dos maiores fundos do mundo) está prestes a fechar um acordo com a Prisma, uma das maiores empresas de pagamento da Argentina. O fundo quer comprar o controle acionário da adquirente, que tem como sócios, 14 bancos do país.

Foto: Reprodução Prisma.

O Governo Macri vem trabalhando forte na iniciativa de descentralizar o controle de grandes bancos no setor, abrindo o caminho para novos players. Por lá, as bandeiras ainda são aceitas apenas por alguns players. A Visa, por exemplo é aceita somente pela Prisma, já a Master é aceita pela First Data, que tem presença por lá também. À partir do ano que vem as bandeiras deverão ser aceitas por todas adquirentes.

O acordo deve chegar a U$1,4 bilhões.

 

Continue Reading

featured